quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Narcosexo

   Uma onda de tráfico começou pelo Rio de Janeiro. Não um tráfico comum, não o tráfico costumeiro, mas sim o sexo-tráfico. Nem preciso dizer que só mulheres o traficavam, e alguns gays eventualmente, heterossexuais não tinham demanda ( pelo menos não demanda assumida ).

   Com o passar do tempo o número de viciados aumentou, e a cidade ficou cada vez mais descontrolada. Preocupado em perder o Rio como cidade-sede das olimíadas de 2012, o prefeito mandou o bope, a CORE, o exército, a Marinha, a Aeronáutica, o morro do Turano, os irmãos metralha etc, para o Complexo do Alemão. A FIFA pressionou, então o Governo mandou também a polícia Canadense e a Al-Qaeda. Com isso, aos poucos, os sexos ( Atenção, daqui em diante, esta história será apenas ficção) foram sendo recuperados e legalizados, vendidos em pequenas doses nas farmácias. Assim todos os viciados em sexo não seriam mais presos no Centro ( caso recente no IFCS) fumando uma mulherz... digo, comendo uma mulherzinha na faculdade. E com o tempo, após 2016, o Brasil se tornou membro da cópul... digo cúpula da ONU em combate ao narcosexo. 

   E hoje, todo  o tipo de sexo é legalizado, inclusive o crac... digo, a dupla penetração. Porém, estupros em via pública não são admitidos. Ah... e se você pegar alguém estuprando a sua mãe, você só pode denunciar se o rapaz tiver menos de 35 anos.        

3 comentários:

Vital disse...

legalize it!

Edu disse...

Pô!!!! Eu não acredito que o Comando Revolucionário Kurt Cobain do B não foi!...

Rafael disse...

Então velhos podem estuprar à vontade que não vão ser presos? Maravilha!